A Dommo Energia S.A., subsidiária da Óleo e Gás Participações, é uma empresa focada em produção de óleo e gás natural. A carteira de ativos de E&P da Companhia é atualmente composta por 4 blocos situados em bacias sedimentares marítimas no Brasil na Bacia de Campos e Bacia de Santos.

Dentre estes ativos, somente o Campo de Tubarão Martelo está em produção e o Bloco BS-4, localizado na Bacia de Santos, está em desenvolvimento.

× Bacia de Campos
Bacia de Campos
A OGpar possui direitos de concessão sobre 2 blocos na Bacia de Campos;
Neles estão situados os campos de Tubarão Azul e Tubarão Martelo;
Esses campos compreendem uma área total de 65,73 km², em lâmina d‘água de aproximadamente 120 metros;
Esta bacia é a mais prolifera do Brasil, responsável por mais de 80% da produção nacional de petróleo
Bacia de Santos
Bacia de Santos
A OGpar possui 40% de participação nos Campos de Atlanta e Oliva, situados no Bloco BS-4;
São operados pela Queiroz Galvão (30%, operadora), com participação também da Barra Energia (30%);
O projeto de desenvolvimento da produção do Campo de Atlanta encontra-se em fase de implantação, com início de produção previsto para o início de 2018.

Bacia de Campos

A Bacia de Campos é o principal polo petrolífero do Brasil e atualmente a maior região produtora de óleo e gás. Em novembro de 2016, esta bacia apresentou uma produção média diária de aproximadamente 1,65 milhões de boe, o que representa aproximadamente 50% da produção brasileira de óleo e gás.

Atualmente, a Companhia possui direitos de concessão sobre dois blocos na Bacia de Campos, compreendendo uma área total de 65,73 km2, em lâmina d’água de aproximadamente 120 metros, concentrados em sua grande maioria na parte sul desta Bacia. Neles estão situados os campos de Tubarão Azul e Tubarão Martelo.

A tabela abaixo apresenta detalhes dos blocos da Companhia na Bacia de Campos:

Bloco Campos Área total (km²) Participações (%)
C-M-466 e 499 Tubarão Martelo 32,14 100
C-M-592 Tubarão Azul 33,59 100
Total - 65,73 100

Em janeiro de 2012, a Companhia iniciou a produção de óleo através de Teste de Longa Duração (TLD) na acumulação de Waimea, localizada no bloco C-M-592 (contrato BM-C-41), posteriormente denominada de Campo de Tubarão Azul. Em dezembro de 2013, a empresa também iniciou a produção no Campo de Tubarão Martelo, localizado nos blocos C-M-466 e C-M-499 (contratos BM-C-39 e BM-C-40, respectivamente).

O Campo de Tubarão Azul produziu 6,7 milhões de barris de petróleo antes de ter sua produção suspensa em agosto de 2015 e posteriormente a Companhia iniciou o processo de desativação e abandono do campo.Atualmente, o Campo de Tubarão Martelo se encontra em produção, por meio da unidade flutuante de produção, armazenamento e descarga (em Inglês, Floating Production, Storage and Offloading - FPSO) OSX-3.

Bacia de Santos

Em junho de 2013, a Companhia adquiriu participação de 40% nos Campos de Atlanta e Oliva (Bloco BS- 4), em parceria com as empresas Queiroz Galvão (30%) e Barra Energia (30%). O projeto de desenvolvimento da produção do Campo de Atlanta encontra-se em fase de implantação, com início de produção previsto para o início de 2018, conforme divulgado pela Queiroz Galvão (QGEP), que é a operadora do consórcio.

A tabela a seguir apresenta detalhes do bloco da Companhia na Bacia de Santos:

Bloco Campos Área total (km²) Participações (%)
BS-4 Atlanta e Oliva 199,604 40% DOMMO / 30% QGEP / 30% BARRA (1)

Em 7 de maio de 2014, a QGEP divulgou o resultado da certificação de reservas do Campo de Atlanta, realizada pela Gaffney, Cline & Associates, que resultou em uma certificação de aproximadamente 147 milhões de barris de óleo e 56 milhões de metros cúbicos de gás de reservas provadas (1P), 191 milhões de barris de óleo e 90 milhões de metros cúbicos de gás de reservas provadas mais prováveis (2P) e 269 milhões de barris de óleo e 311 milhões de metros cúbicos de gás de reservas provadas mais prováveis mais possíveis (3P) para o Campo de Atlanta. O campo de Oliva não foi certificado.